Principal | Contato | Mapa do Site
 
 

Tabela TNM

 

Tumores da Mama

Notas Introdutórias

Cada região anatômica é descrita sob os seguintes títulos:

* Regras para classificação, com os procedimentos para avaliar as categorias T, I N e M. Métodos adicionais podem ser usados, quando melhorarem a acurácia da avaliação antes do tratamento.

* Sub-regiões anatômicas

* Definição dos linfonodos regionais

* TNM -Classificação Clínica

* pTNM - Classificação Patológica

* G -Graduação Histopatológica

* Classificação R

* Grupamento por estádios

* Resumo esquemático

Regras para Classificação

A classificação é aplicável somente para carcinomas. Deve haver confirmação histológica da doença.

A sub-região anatômica de origem deve ser registrada, mas não é considerada na classificação.

No caso de tumores múltiplos sincrônicos em uma mama, o tumor com a maior categoria T deve ser usado para a classificação. Os tumores da mama bilaterais e sincrônicos, devem ser classificados independentemente, para permitir a divisão dos casos por tipo histológico.

Os procedimentos para avaliação das categorias T, N e M são os seguintes:

Categorias T Exame físico e diagnóstico por imagem, p. ex., mamografia.

Categorias N Exame físico e diagnóstico por imagem.

Categorias M Exame físico e diagnóstico por imagem.

Sub-regiões Anatômicas

1. Mamilo (C50.0)

2. Porção central (C50.1)

3. Quadrante súpero-interno (C50.2)

4. Quadrante ínfero-interno (C50.3)

5. Quadrante súpero-externo (C50.4)

6. Quadrante ínfero-externo (C50.5)

7. Prolongamento axilar (C50.6)

Linfonodos Regionais

Os linfonodos regionais são:

1 -Axilares (homolaterais): linfonodos interpeitoráis , (Rotter) e os linfonodos ao longo da veia axilar e suas tributárias, que podem ser divididos nos seguintes níveis:

i) Nível I (axilar inferior): linfonodos situados lateralmente à borda lateral do músculo peitoral menor.

ii) Níve ll (axilar médio): linfonodos situados entre as bordas medial e lateral do músculo peitoral menor e os linfonodos interpeitorais (Rotter).

iii) Nível III (axilar apical): linfonodos situados medial- mente à margem medial do músculo peitoral menor, incluindo aqueles designados como subclaviculares, infraclaviculares ou apicais.

Nota: Os linfonodos intramamários são classificados como línfonodos axilares.

2. Mamários internos (homolaterais): linfonodos localizados nos espaços intercostais, ao longo da borda do esterno, na fáscia endotorácica.

Qualquer, outra metástase em linfonodo é classificada como metástase à distância {MI), incluindo os linfonodos supraclaviculares, cervicais ou mamários internos contralaterais.

TNM -Classificação Clínica

TX O tumor primário não pode ser avaliado.

T0 Não há evidência de tumor primário.

Tis Carcinoma in situ: carcinoma intraductal, pu carcihoma lobular in situ, ou doença de Paget do mamilo sem tumor.

Nota: A doença de Paget associada com tumor é classificada de acordo com o tamanho do tumor.

T1 - Tumor de 2 cm ou menos em sua maior dimensão.

T1mic - Microinvasão de 0,1 cm ou menos em sua maior dimensão.

T1a - Mais de 0,1, porém não mais de 0,5 cm em sua maior dimensão.

T1b - Mais de 0,5 cm, porém não mais de 1 cm em sua maior dimensão,

T1c - Mais de 1 cm, porém não mais de 2 ctn em sua maior dimensão.

T2 - Tumor de mais de 2 cm, porém não mais de 5 cm em sua maior dimensão,

T3 - Tumor de mais de 5 cm em sua maior dimensão,

T4 - Tumor de qualquer dimensão, com extensão direta à parede torácica ou à pele.

Nota: A parede torácica inclui costelas, músculos intercostais, músculo denteado anterior, mas não inclui o músculo peitoral.

T4a - Extensão à parede torácica.

T4b - Edema (inclusive "peau d'orange"), ou ulceração da pele mamária, ou nódulos cutâneos satélite confinados à mesma mama,

T4c - Ambos (T4a e T4b).

T4d - Carcinoma inflamatório

Notas:

1. Microinvasão é a extensão de células cancerosas além da membrana basal, alcançando os tecidos adjacentes, sem focos tumorais maiores do que 0,1 cm em sua maior dimensão. Quando há focos múltiplos de microinvasão, somente o diâmetro do maior foco é utilizado para classificar a microinvasão. (Não usar a soma dos focos individuais). A presença de múltiplos focos de microinvasão deve ser anotada como se faz com os múltiplos carcinomas invasores.

2. O carcinoma inflamatório de mama é caracterizado por um endurecimento difuso e intenso da pele com borda erisipelóide, geralmente sem massa subjacente. Se a biópsia de pele for negativa e não existir tumor primário localizado mensurável, um carcinoma clinicamente inflamatório (pT4d) é classificado patologicamente como pTX . A retração da pele, do mamilo ou outras alterações cutâneas, exceto aquelas incluídas em T4b e T4d, podem ocorrer em TI, T2 ou T3, sem alterar a classificação.

N -Linfonodos Regionais

NX Os linfonodos regionais não podem ser avaliados (p ex., por terem sido previamente removidos).

N0 - Ausência de metástase em linfonodos regionais.

Nl - Metástase em linfonodo(s) axilar(es), homolateral(ais), móvel(eis).

N2 - Metástase em linfonodo(s) axilar(es) homolateral (ais)fixo(s) uns aos outros ou a outras estruturas.

N3 - Metástase em linfonodo(s) mamário(s) interno(s) homolateral(ais).

M -Metástase à Distância

MX -A presença de metástase à distância não pode ser avaliada.

M0 -Ausência de metástase à distância.

Ml - Metástase à distância.

A categoria M1 pode ser adicionalmente especificada de acordo com as seguintes notações:

Pulmonar PUL | Medula óssea MO | Óssea OSS | Pleural PLE | Hepática HEP

Peritoneal PER | Cerebral CER | Supra-renal ADR | Linfonodal LIN | Pele CUT | Outras OUT

pTNM -Classtficação Patológica

pT -Tumor Primário

A classificação histopatológica requer o exame do carcinoma primário sem tumor macroscópico nas margens de ressecção.

Um caso pode ser classificado como pT se houver somente tumor microscópico em uma margem.

As categorias p T correspondem às categorias T.

Nota: Ao se classificar a categoria pT, o tamanho do tumor é a medida do componente invasivo. Se há um grande componente in situ (p. ex.., 4 cm) e um pequeno componente invasor (p. ex. 0,5 cm), o tumor é codificado como pT1a.

pN - Linfonodos Regionais

A classificação histopatológica requer a ressecção e o exame, pelo menos, dos linfonodos axilares inferiores (nível I). Tal ressecção incluirá, geralmente, 6 ou mais linfonodos.

pNX - Os linfonodos regionais não podem ser avaliados ( não removidos para estudo ou previamente removidos).

pN0 - Ausência de metástase em linfonodos regionais.

pN1 Metástase em linfonodo(s) axilar(es) homolateral(ais), móvel(eis)

pN1a - Somente micro metástase (qenhum linfonodo maior que 0,2 cm).

pN1b - Metástase em linfonodo(s), com mais de 0,2 cm.

pN1bi - Metástases em 1 a 3 linfonodos, com um maior do que 0,2 cm e todos os outros menores do que 2 cm em sua maior dimensão.

pN1bii - Metástase em 4 ou mais linfonodos, com um maior do que 0,2 cm e todos os outros menores do que 2 cm em sua maior dimensão.

pNIbiii - Extensão do tumor além da cápsula de um linfonodo metastático, com menos de 2 cm em sua maior dimensão.

pNIbiv - Metástase em um linfonodo com 2 cm ou mais, em sua maior dimensão.

pN2 - Metástase em linfonodos axilares homolaterais, fixos uns aos outros ou a outras estruturas.

pN3 - Metástase em linfonodo(s} mamário(s} interno(s) homolateral(ais).

pM -Metástase à distância

As categorias pM correspondem às categorias M.

G -Graduação Histopatológica

GX - O grau de diferenciação não pode ser avaliado.

Gl - Bem diferenciado

G2 - Moderadamente diferenciado

G3 - Pouco diferenciado

G4 - Indiferenciado

Classificação R

A ausência, ou presença, de tumor residual após o tratamento pode ser descrita pelo símbolo R:

RX - A presença de tumor residual não pode ser avaliada.

R0 - Ausência de tumor residual.

RI - Tumor residual microscópico.

R2 - Tumor residual macroscópico

Grupamento por Estágios
Estágio 0 Tis N0 M0
Estágio I T1 N0 M0
Estágio IA T0 N1 M0
  T1 N2 M0
  T2 N0 M0
Estágio IIB T2 N1 M0
  T3 N0 M0
Estágio IIIA T0 N2 M0
  T1 N2 M0
  T2 N2 M0
  T3 N1, N2 M0
Estágio IIIB T4 Qualquer N M0
  Qualquer T N3 M0
Estágio IV Qualquer T Qualquer N M1
Notas: 1. TI inclui o T1mic. 2. O prognóstico de pacientes com pN1a é similar ao de pacientes com pNO.
 
Resumo Esquemático
 

Mama

Tis Carcinoma in situ

T1 < = 2 cm

T1mic < = 0,1 cm

T1a > 0,1 até 0,5 cm

T1b > 0,5 até 1 cm

T1c > 1 até 2 cm

T2 > 2 até 5 cm

T3 > 5 cm

T4 Parede torácica/pele

T4a Parede torácica

T4b Edema/ulceração cutânea, nódulos cutâneos satélites

T4c Ambos (T4a e T4b)

T4d Carcinoma inflamatório

N1 Linf. Axilares Móveis pN1  
    pN1a Apenas micromestástase < = 0,2 cm
    pN1b Metástase macroscópica
      (i) 1 - 3 linfonodos/ > 0,2 a 2 cm
      (ii) > = 4 linfonodos/ > 0,2 a < 2 cm
      (iii) através da cápsula/ < 2 cm
      (iv) > = 2 cm
N2 Axilares Fixos pN2  
N3 Mamários Internos pN3